Make your own free website on Tripod.com
Pesca&Dicas

SOLDAGEM DE LINHAS QUIMICAMENTE
 


   

 

Sem o inconveniente provocado pelo volume dos nós, este método garante resistência, durabilidade, e não compromete a precisão do arremesso.

A soldagem química de linhas de náilon é um recurso muito útil que já vem sendo utilizado, há mais de 30 anos, pelos participantes de campeonatos de praia e de arremesso. Sua principal vantagem está no fato de eliminar o volume provocado pelo nó quando é necessário unir duas linhas, trazendo como benefício imediato um menor atrito nos passadores da vara, durante o processo de arremesso.

 Assim sendo, tanto na pesca com iscas artificiais – cuja precisão é fator preponderante – como na pesca de praia na qual a necessidade de se fazer lances longos obriga o pescador a colocar arranques com bitolas até três vezes superior ao da linha principal -, o processo de soldagem se faz imprescindível, pois a linha sai saem trancos, não alterando a direção das iscas e garantindo maior resistência.

Como se não bastasse, este processo, ao contrário dos nós, proporciona até 90% de resistência, ou seja: se a linha de arranque for 0,60 mm e o restante do carretel 0,40 mm, a resistência à tração será de 90% do fio mais fino.

No entanto, apesar da grande capacidade de aderência, este recurso só funciona com fios de náilon (poliamida 6) que por sinal, são os mais utilizados na pesca desportiva. Mas também existem no mercado alguns copolímeros que contém teflon, um material altamente resistente ao atrito, porém muito difícil de ser soldado quimicamente e, por isso, há a necessidade de se proceder alguns testes, para evitar fazer emendas cuja resistência fiquem comprometidas.

A composição química para se obter este tipo de solda é bastante simples, se restringindo a apenas três ingredientes básicos, os quais podem ser encontrados sem grandes dificuldades.

clique na foto para ampliá-la

 

 

Ingredientes

 

 

 

Como preparar:

Colocar o ácido em uma pequena vasilha de vidro tomando o cuidado para que não ultrapasse a metade do recipiente, e levar ao fogo em banho Maria. Quando a água estiver fervendo, baixar o fogo e adicionar os pedaços de linha picados, em pequenas quantidades, e ir misturando com uma colherinha de inox ou algo compatível, até que ela dilua-se no ácido. Assim que a massa em formação atingir uma viscosidade semelhante a do mel, coloque 4% de água destilada, e continue mexendo até obter uma mistura bem homogênea. Para finalizar, apague o fogo e deixe esfriar.

A princípio, essa mistura apresentará uma tonalidade esverdeada, sendo necessário colocá-la numa embalagem de vidro (do tipo pote de maionese) e, aguardar algum tempo até que se estabilize. Somente quando a cor mudar do verde para um marrom avermelhado, é que estará no ponto ideal para ser usado.

Terminado o processo de transformação química, distribua o material nos vidrinhos menores e, guarde-os em lugar fresco, evitando sua exposição ao sol.

 


 

Cuidados durante a preparação:

Executar o serviço em lugar aberto e bem arejado, prevenir-se para não inalar gases, usar luvas de amianto para evitar queimaduras com os vapores da água e, por último, tomar cuidados necessários ao manipular a cola.

A solda química não tem tempo limite de validade e, se bem cuidada, quanto mais velha melhor. Portanto, distribuindo o material em vidrinhos menores e cuidando para que os mesmos fiquem bem fechados (prefira modelos que possuam tampa dupla) é possível utilizá-la por mais de dez anos.

 


 

Dispositivos para soldagem de linhas:

Para proceder à soldagem, será necessário desenvolver um dispositivo para auxiliar na fixação das linhas. Existem vários modelos de fabricação caseira, muito eficiente para este fim. Dentre estes, mostraremos três, cujos materiais são fáceis de serem encontrados, e sua montagem não apresenta qualquer tipo de dificuldade.

 


 

Como soldar:

Para linha 0,60 mm com 0,40 deve-se seguir o seguinte procedimento:

 

  • ponha o dispositivo sobre uma mesa;
  • coloque no corte da borracha, sentido longitudinal, a linha mais fina e, em seguida, a mais grossa. Esta ordem é necessária, pois, se for colocada primeiro a linha mais grossa, a mais fina ficará solta;
  • encostar as linhas e esticá-las o mínimo possível, apenas o suficiente para que fique uma sobre a outra;
  • a soldagem dos dois fios deverá ser feita em uma área de aproximadamente 12 milímetros. Como regra, o comprimento da solda deverá ter o diâmetro da mais grossa, multiplicado por 20. Ex: 0,60 X 20 = 12 milímetros;
  • aplicar a solda de forma moderada, nos dois lados da linha, não mais que uma gota na ponta de um palito de dente. Manter o alinhamento e retirar o excesso com a lateral do palito. A quantidade de solda deverá ser suficiente, apenas, para encher o sulco formado pelas linhas em paralelo.

 

O tempo necessário para secagem fica em torno de oito horas, em temperatura ambiente e na sombra. Pode-se acelerar o processo utilizando secador de cabelos, por cerca de 30 minutos e, em seguida, aguardar mais cinco horas. Vencido este prazo, para evitar que a solda se rasgue, deve-se retirar as linhas do dispositivo, segurando-as juntas e, cortar as pontas excedentes para evitar que as mesmas, no atrito com obstáculos, comprometam a resistência. Use alicate de corte com face plana ou, ainda, a pequena tesoura que vem nos canivetes Victorinox. Coloque a ferramenta entre as duas linhas e faça um corte chanfrado, algo com 60º, bem rente à solda, eliminando completamente as sobras.

clique nas fotos para ampliá-las

 

Dica:

Existem pescadores que diante da necessidade de substituir a linha, costumam trocas apenas à metade. Este artifício é muito útil, pois além de econômico para o bolso, cria a possibilidade para a utilização de dois líderes no mesmo carretel. Para tanto, basta unir uma ponta do arranque (usar nó de sangue para linhas de diâmetro diferentes) na parte que vai ficar no carretel, e a outra ponta, colar na linha nova. Após completar o carretel, um dos arranques estará no meio do mesmo, enquanto outro poderá ser colado normalmente na ponta da que foi colocada. Dessa forma, quando se perde o primeiro líder, basta desenrolar a linha te a parte onde foi feita à emenda (no meio do carretel), cortá-la e emendar novamente a ponta que estava no líder que foi perdido.

O importante é não perder tempo tendo que esperar oito horas para soldar um novo arranque. Pescadores mais experientes são precavidos e levam até três carretéis sobressalentes. A vantagem é que quem adota este procedimento, terá seis pontas com arranque, prontos para uso.

Esperamos que a técnica de soldagem de linhas, venha somar-se aos conhecimentos que cada pescador possui, contribuindo para pescarias melhores e mais produtivas.

voltar

   
| PESQUEIROS | NÓS PARA PESCA | RIO GUARAÚ | ARTIGOS | BUSCA FONES | TEMPO |
| HOME | RECEITAS | FOTOS | SPLIT SHOT | MASSAS | BUSCA CEP | E-MAIL | GIRADOR | EMPATE DE AÇO |
© Copyright - 2002-2003 - Pesca & Dicas - All rights reserved